10 motivos que fizeram o Vale do Silício o maior polo de inovação do mundo

Região nos EUA é berço de startups e novas tecnologias

bigstock-San-Francisco-Panorama--1374610-R71RBxBvuy1dFDI3FsS4MlJ-1200x800@GP-WebFoto: Bigstock

É na região da Baía de São Francisco, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, que está situado o local que ficou conhecido como Vale do Silício. Foi lá que surgiram algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo – de gigantes como Google, Facebook e Uber a centenas de startups que nascem diariamente. Desde a fundação da primeira empresa de tecnologia no Vale, em 1956, até os dias de hoje, alguns comportamentos e posturas moldaram a identidade da população e fizeram com que se o local tornasse o maior polo de tecnologia e inovação do mundo. De fatores históricos a culturais ou comportamentais, confira algumas dessas características que transformaram e garantiram o sucesso dos negócios do Vale do Silício:

1. Mentalidade desbravadora

Foi na região que aconteceu, no final da década de 1940, a chamada Corrida do Ouro, quando a descoberta do metal atraiu pessoas de diversas partes do país. Alguns conseguiram lucrar com o ouro enquanto outros precisaram se reinventar e criar diferentes oportunidades na região – já que voltar para casa não era mais uma opção. Isso fez com que tanto São Francisco quanto as cidades próximas crescessem guiadas por uma mentalidade desbravadora e antenada ao universo do empreendedorismo e do investimento.

“O contexto histórico e cultural do Vale criou um ecossistema único na região. Isso possibilitou que a semente do empreendedorismo disruptivo germinasse”, observa Anderson Godzikowski, advisor e investor em startups, projetos e governança Corporativa.

2. Abertura ao novo

A região do Vale do Silício é marcada, historicamente, pelo surgimento de ideias liberais e inovadoras, como o movimento hippie. Por isso, tornou-se um ambiente no qual as pessoas têm mais coragem, querem viver coisas novas e aceitam as mudanças com mais facilidade. Um exemplo foi a criação do Airbnb – plataforma online de hospedagem comunitária – que foi criado em São Francisco.

“Se a empresa Airbnb tivesse surgido em outro lugar acho que não teria dado certo. As pessoas teriam muita resistência à ideia de colocar um estranho dentro de casa e os investidores não iriam apostar no negócio”, pontua o cofundador da Asteroide e CEO da Bluezup Diogo Ruiz, que mora no Vale desde 2017.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/15/Capa/Imagens/Cortadas/bigstock--157489553-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg37,5% da população é estrangeira (média nacional é de 13,5%) e cerca de 51% fala um idioma diferente do inglês Bigstock

 3. Foco na educação

A Universidade de Stanford desempenhou papel importante no crescimento da região. Desde o surgimento da primeira empresa, a instituição trabalhou em parceria com pesquisas e treinamento de estudantes para as novas demandas do mercado. Hoje, tanto a Universidade Stanford quanto a Universidade da Califórnia são peças importantes no sucesso da região e atraem estudantes interessados em oportunidades na área de novas tecnologias.

4. Respeito à diversidade cultural

Segundo dados de 2016 do Silicon Valley Indicators, 37,5% da população é estrangeira (média nacional é de 13,5%) e cerca de 51% fala um idioma diferente do inglês. Isso mostra a diversidade cultural da região e afeta diretamente o estilo de vida. Um ambiente plural em culturas e hábitos – e que respeita e aceita essas diferenças – propicia o surgimento de novas ideias e garante soluções e insights diferenciados.

5. Pensamento global

Anderson ressalta que enquanto no Brasil, na maioria das vezes, os empreendedores criam negócios pensando em necessidades locais, no Vale o ambiente multicultural estimula que as ideias sejam pensadas mais globalmente. Isso porque o empreendedor que está no Vale é constantemente exposto a novos questionamentos e necessidades que nem sempre fazem parte da sua vida. O resultado disso são novos desafios e oportunidades.

6. Espírito inovador

O chamado espírito inovador é estimulado em ambientes onde as pessoas estão mais dispostas a testar coisas novas, como é o caso do Vale do Silício. Com isso, o empreendedor fica mais confiante para inventar e criar porque sabe que alguém irá gostar da sua ideia, por mais louca que seja. Já em um ambiente mais tradicional, a probabilidade de essa ideia seja criticada e desestimulada é muito maior. Dessa forma, a personalidade inovadora tende a perder espaço em ambientes tradicionais.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/15/Capa/Imagens/Cortadas/bigstock-Bay-Bridge-And-San-Francisco-A-1374489-ID000002-1200x800@GP-Web.jpgNa Vale do Silício as pessoas trabalham por um propósito, por uma ideia que pode mudar o mundo – e não apenas pelo dinheiro. Bigstock

 7. Mentalidade colaborativa

No Vale do Silício as pessoas estão em busca de oportunidades, ideias e negócios. Então, essa colaboração no mundo dos negócios tornou-se algo natural e que é benéfica a todos. “Quando cheguei na região recebi ajuda de um amigo, que me conectou com outras pessoas. Essa cultura de colaboração é muito forte”, conta Diogo. Além disso, estar conectado a um maior número de pessoas, de estagiários a CEOs, pode ser fator determinante para o sucesso.

“A velocidade com que as mudanças estão acontecendo é muito grande. O cara que está ali do outro lado da mesa pode ter, no dia seguinte, uma ideia que vai revolucionar o mundo. Por isso todo mundo se respeita, sem preconceitos.”

8. Busca constante por novos desafios

O ciclo de vida no Vale do Silício funciona assim: o empreendedor cria uma ideia, transforma-a em um MVP (sigla para produto mínimo viável), depois começa uma empresa, então ela pode se tornar um unicórnio – startups que valem mais de 1 bilhão de dólares –, e aí com o lucro ou dinheiro da venda da empresa, o empreendedor começa a pensar em uma nova ideia ou vira um investidor.

“Isso é bastante comum, muitas startups recebem investimentos de fundadores de outras empresas. Uma pessoa traz ideias disruptivas, outra está disposta a investir, outras querem testar e assim as empresas são criadas, fazem sucesso e todo o ciclo recomeça.”

9. Foco em um propósito

Na Vale do Silício as pessoas trabalham por um propósito, por uma ideia que pode mudar o mundo – e não apenas pelo dinheiro. É isso que atrai e motiva as pessoas na região. O que diferencia o empreendedor do Vale é o fato de que ele sonha alto. Com isso, o dinheiro será uma consequência dessa lógica: quanto mais alto você sonha, maior será o lucro quando o negócio prosperar.

10. Valorização do capital humano

Uma startup só irá conseguir investimento se tiver uma equipe competente. “Tem uma frase que diz que uma ideia ruim na mão de um time ruim quebra, uma ideia ruim na mão de um time bom transforma-se em uma ideia boa, e uma ideia boa com um time bom torna-se um unicórnio”, ressalta Diogo Ruiz. Por isso, o capital humano é bastante valorizado pelas empresas no Vale do Silício, que oferecem atmosferas de trabalho mais saudáveis, que estimulam a criatividade e que buscam engajar sua equipe por seus valores e propósitos.

Via: Gazeta do Povo

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s